Papai Sincero – “Papás por el mundo” #45

Cuando supe que iba a ser padre por primera vez no me dio tiempo de prepararme para aquel momento, cuando tuve mi segundo hijo yo ya había madurado y creía que ya había pasado por muchas de las emociones que significaba ser papá, parecía que todo iba a ser previsible, pero no fue así.

 

Cada hijo es único, ni más ni menos que el otro, simplemente único. Son sensaciones que no hay manera de poder explicarlas y no podemos suponer lo que sentiremos día tras día.

 

Yo no soy rico, y me encuentro muy lejos de cerlo, pero tengo lo que necesito, no busco a mis hijos en coche, pero nunca me retraso. Cambié algunos planes que ya me había hecho, pero jamás desistí de ellos, sentí miedo, pero no lo dudé jamás en enfrentar todos los obstáculos, cambié hábitos y probé las aceitunas (que asco), y no habría hecho nada de eso si no fuera papá.

 

Mi hija Sophia tiene 5 años hoy, yo no pude estar todos los días con ella pues no vive conmigo, no tenemos muchos momentos juntos, no acompañé el parto y no vi sus primeros pasos, de una semana para otra ella ya decía “papá” y yo no estuve ahí para escucharlo. No entiendo por que la “justicia” es tan ciega todavía, y a pesar de eso, todos los momentos que estoy con ella intento eternizarlos.

 

Cuando estaba en la habitación del hospital después del nacimiento de mi segundo hijo, Bernardo, cargué por algunos momentos aquella mini personita en mis brazos para que mamá descansará, y me prometí a mí mismo que sería un padre mejor, incluso intenté hacer lo máximo que pude hasta allí.

 

Pasamos noches en claro teniendo días llenos de incertidumbre, el presupuesto apretó, la casa nunca quedó vacía, las noches de matrimonio pasaron a ser raras y aquellos encuentros con amigos se aplazaron por meses. Pero si me preguntaran que si yo hubiera querido que eso hubiera sido diferente, mi respuesta sería una sola… ni pensarlo!. Si me hubieran dicho antes todo lo que iba a vivir, hubiera pensado que sería una locura, pero hay cosas que son inexplicables, como la fuerza que sacamos de donde no la teníamos.

 

Necesitaba muchas páginas para expresar y contar sobre mi paternidad. Hoy vivo eso y mi amor por mis pequeños es indescriptible.

 

Para un niño el padre es como un héroe, estar presente en la vida del hijo es contribuir a la formación de él, ellos no quieren su dinero, ellos no quieren solamente comida buena o coche del año, ellos quieren presencia, un amigo, un compañero y una figura heroína. Un padre presente hace toda la diferencia. Esté donde esté, tener esa conexión es suficiente.

 

Me siento feliz de estar compartiendo un poco de esto en una nueva generación de padres.

 

Grande abrazo.

 

Jeff Centeno

Instagram: @papaisincero

Brasil

 

 

Texto original

Quando soube que iria ser pai pela primeira vez não deu tempo de ter me preparado para aquele momento, quando tive meu segundo filho eu já estava mais maduro e já havia passado por muitas emoções que nunca tinha sentido antes, parecia que seria previsível tudo o que aconteceria posteriormente, mas não foi bem assim.

Cada filho é único, não mais nem menos que o outro, mas, simplesmente único. São sensações que não tem como explicar e não tem como presumir o que iremos sentir.

Não sou rico, longe disso ainda, mas tenho o quanto preciso, não busco meus filhos de carro onde estejam, mas não me atraso jamais. Adiei alguns planos, mas não desisti deles, senti medo, mas não hesitei, mudei hábitos e provei azeitonas (eca), não teria feito nada disso se não fosse pai.

Minha filha Sophia tem 5 anos hoje, eu não pude estar todos os dias com ela pois não mora comigo, não tive muitos momentos, não acompanhei o parto e não vi os primeiros passos, de uma semana para outra ela já dizia papai e eu não estive lá para ouvir a primeira vez, não porque não quis, mas porque a “justiça” é cega aqui ainda, mas todos os momentos que estou com ela tento eterniza-los.

Quando estava no quarto do hospital depois do nascimento do meu segundo filho, o Bernardo, peguei por alguns momentos aquela mini pessoinha nos meus braços para a mamãe descansar, e prometi para mim mesmo que seria um pai melhor, mesmo tento feito o máximo que pude até ali.

Passamos noites em claro tendo dias cheios em seguida, o orçamento apertou, a casa nunca ficou vazia, noites de casal passaram a ser raras e aqueles encontros com amigos adiados por meses. Mas me pergunte se eu queria que fosse diferente, jamais. Se me dissesse que seria assim antes eu acharia loucura, mas tem coisas que são inexplicáveis, como a força que tiramos de onde não temos.

Precisaria de muitas páginas para expressar e contar sobre a minha paternidade. Hoje vivo isso e o meu amor pelos meus pequenos é indescritível.

Para uma criança o pai é como um herói, estar presente na vida do filho é contribuir para a formação dele, eles não querem seu dinheiro, eles não querem somente comida boa ou carro zero, eles querem presença, um amigo, um companheiro e uma figura heroína. Um pai presente faz toda diferença. Esteja onde estiver, uma ligação já basta.

Fico feliz por estar compartilhando um pouco disto em uma nova geração de pais.

Grande abraço.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *